Anônimos, desconhecidos e Outros...

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

Anônimos, desconhecidos e Outros...

Mensagem por Convidad em Qua Out 29, 2008 7:35 am

Procura-se um amigo

Não precisa ser homem, basta ser humano, basta ter sentimentos, basta ter coração. Precisa saber falar e calar, sobretudo saber ouvir. Tem que gostar de poesia, de madrugada, de pássaro, de sol, da lua, do canto, dos ventos e das canções da brisa. Deve ter amor, um grande amor por alguém, ou então sentir falta de não ter esse amor.. Deve amar o próximo e respeitar a dor que os passantes levam consigo. Deve guardar segredo sem se sacrificar.

Não é preciso que seja de primeira mão, nem é imprescindível que seja de segunda mão. Pode já ter sido enganado, pois todos os amigos são enganados. Não é preciso que seja puro, nem que seja todo impuro, mas não deve ser vulgar. Deve ter um ideal e medo de perdê-lo e, no caso de assim não ser, deve sentir o grande vácuo que isso deixa. Tem que ter ressonâncias humanas, seu principal objetivo deve ser o de amigo. Deve sentir pena das pessoa tristes e compreender o imenso vazio dos solitários. Deve gostar de crianças e lastimar as que não puderam nascer.

Procura-se um amigo para gostar dos mesmos gostos, que se comova, quando chamado de amigo. Que saiba conversar de coisas simples, de orvalhos, de grandes chuvas e das recordações de infância. Precisa-se de um amigo para não se enlouquecer, para contar o que se viu de belo e triste durante o dia, dos anseios e das realizações, dos sonhos e da realidade. Deve gostar de ruas desertas, de poças de água e de caminhos molhados, de beira de estrada, de mato depois da chuva, de se deitar no capim.

Precisa-se de um amigo que diga que vale a pena viver, não porque a vida é bela, mas porque já se tem um amigo. Precisa-se de um amigo para se parar de chorar. Para não se viver debruçado no passado em busca de memórias perdidas. Que nos bata nos ombros sorrindo ou chorando, mas que nos chame de amigo, para ter-se a consciência de que ainda se vive.

[Nota: este texto corre meio mundo como sendo de Vinicius, mas não é. A sua Obra Completa, Editora Aguilar, não o registra; muito menos o registra a página oficial, mantida pela família do poeta.]

Convidad
Convidado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Reflexões (Anonimo)

Mensagem por Convidad em Qua Out 29, 2008 7:37 am

De repente acordei,
pensei que estava a dormir...
Pensei a vida sem sem saber
Dói sonhar e não viver
vivi como nunca sonhei.

De repente sonhei,
acordar e sonhar sem dormir...
acordar para a vida sem sonhar
Dói viver e não sonhar
sonhei como nunca vivi.

De repente morri,
nada pensei....
nada sonhei....
Dói saber que nunca vivi
Morri sem nunca viver.

Vivi... sonhei... Morri...
Morri porque acordei.
Acordei porque sonhei
Sonhei porque vivi.

anonimo


Última edição por Akira em Qua Out 29, 2008 7:38 am, editado 1 vez(es)

Convidad
Convidado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Mono tona (Anonimo)

Mensagem por Convidad em Qua Out 29, 2008 7:38 am

Chamou-lhe a atenção. Reconhecida era a sua autoridade no assunto, todavia relembra, pesquisa, lapida.
Entre uma tarefa e outra, instantaneamente, professa e envia. Segundos após, a láurea.
Bastante, preciosa, breve, profunda, brilhante. Peremptória
Volta a monotonia, reconforta-lhe a glória alcançada.
Uma afronta. Não lê, não precisa. Pessoal, pura birra.
Compendia compêndio de arrazoado, não fosse a questão pessoal, poderia-se imaginar bravatas.
Envia. Nada. Inúmeras vezes. Nada.
Apela, talvez alguma falha, procura no meio do caminho. Nada.
Torna a enviar novamente e mais outra e outra mais. Reclama. Xinga. Desiste.
A monotonia oprime, frustra, reprime.
Enfim as suas, seguidas de enxurrada de reclamações.
Dá de ombros, pura inveja. Nunca valorizou tanto a monotonia.

Anonimo

Convidad
Convidado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Em uma segunda qualquer... (anonimo)

Mensagem por Convidad em Qua Out 29, 2008 7:39 am

Adeus, minha ilusão de um instante !

Tudo continua a ser velho.

Eis aqui o troféu de um pessimista.

Risco Sistêmico.

Dizem que se assimila melhor através do exemplo.

A combinação entre a freqüência de um acidente e a sua conseqüência.

A experiência é melhor do que qualquer exemplo.

Um exemplo é só um exemplo. Palavras ao vento, o alerta solitário de um pessimista.

Uma bolha é só uma bolha, fato natural, um acidente inconseqüente.

A história é um exemplo distante de um acidente que só acontece no passado.

Passado de glória do qual fomos testemunhas.

Aprendemos a lição mais difícil. Agora e sempre.

Experientes pessimistas !

anonimo

Convidad
Convidado


Voltar ao Topo Ir em baixo

AVE LINUS (Anonimo)

Mensagem por Convidad em Qua Out 29, 2008 7:43 am

S
C I
E N I
T A E A
A Q L A
U I R
S S


A
n o
n i o
m

Convidad
Convidado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Confissões de um sonhador (Anonimo)

Mensagem por Convidad em Seg Nov 10, 2008 6:06 am

Eu não tenho sonhos.Os que tive, já os realizei. Cada dia é apenas mais um dia, sem sonhos, sem alegrias, sem frustrações.

"Que triste..." Suspiravam as psicólogas com as quais flertei."Uma pessoa sem sonhos é uma pessoa muito triste."

O desafio em se flertar com uma psicóloga é que uma psicóloga não se deixa seduzir. Somos apenas mais um tipo. Não há mistério, o tempêro da sedução.

Xadrez também é um desafio, mas via de regra um enxadrista não tem a beleza de uma psicóloga. Não falo de estética nem de ética. Falo de Amor.

Sempre sonhei em seduzir uma psicóloga, mas como confessei. Eu não tenho sonhos...

Não vamos acabar com os sonhos.Uma pessoa sem sonhos é uma pessoa muito triste...

Anonimo.

"Às vezes, em sonho triste
Nos meus desejos existe
Longinquamente um pais
Onde ser feliz consiste
Apenas em ser feliz."

Fernando Pessoa

" Yes we can ! "

The screaming donkeys

Convidad
Convidado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: Anônimos, desconhecidos e Outros...

Mensagem por Conteúdo patrocinado


Conteúdo patrocinado


Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum